Pensa Tudo!: A VERGONHA QUE NÃO TENHO

24 de agosto de 2011

A VERGONHA QUE NÃO TENHO


Sou nordestina. Nasci e me criei no coração do Recife.
Sou nordestina. Falo oxente, vôrte, e danou-se. Vige, credo, visse! Proseio me, a língua ligeira, que engole silabas e atropela a ortoépia das palavras. O meu falar é o mais fiel retrato. Os amigos acham até engraçado e dizem sempre que eu “saí do mato, mas o mato não saiu de mim”. Não saiu mesmo! E olhe: acho que não vai sair é nunca!!!
Sou nordestina. Lambo os beiços quando me deparo com uma mesa farta, atarracada de comida. Pirão, arroz-de-festa, galinha de capoeira, feijão de corda com toucinho, buchada, carne de sol... E mais uma ruma de comida boa, daquelas que quando a gente termina de engolir o suor já está pingando nos quatro cantos. E depois ainda me sirvo de um bom pedaço de rapadura ou uma cumbuca de doce de mamão, que é pra adoçar a boca. E no outro dia, de manhãzinha, me esbaldo na coalhada, no cuscuz, na tapioca, no queijo de coalho, no bolo de mandioca, na tigela de umbuzada!

Sou nordestina. Admiro e me emociono com a minha arte, com o improviso do poeta popular, com a beleza da banda de pífanos, com o colorido do pastoril, com a pegada forte do côco-de-roda, com a alegria da quadrilha junina, com o frevo quente Pernambucano. O artista nordestino é um herói, e nos cordéis do tempo se registra a sua história. Sou nordestina. Sou apaixonada pela minha terra, pela minha cultura, pelos meus costumes, pela minha arte, pela minha gente. Só não sou apaixonada por uma pequena parcela dessa mesma gente que se enche de poderes e promete resolver os problemas de seu povo, mentindo, enganando, ludribiando, apostando no analfabetismo de quem lhe pôs no poder, tirando proveito da seca e da miséria para continuar enchendo os próprios bolsos de dinheiro.
Mas, apesar de tudo, eu ainda sou nordestina, e tenho orgulho disso. Não me envergonho da minha história, não disfarço o meu sotaque, não escondo as minhas origens. Eu sou tudo o que escrevi, sou a dor e a alegria dessa terra. E tenho pena, muita pena, dos tantos nordestinos que vejo por aí, imitando chiados e fechando vogais, envergonhados de sua nordestinidade. Para eles, ofereço estas linhas. E para os preconceituosos, mando-lhes um abraço, segura de que a ignorância deles é que lhes fecham os olhos. 

2 comentários:

Wellington Fernando disse...

Puxa, Carol, seu post ficou arretado! rs Meus parabéns pela sua sensibilidade e pelo seu amor genuíno por esta terra única em seus costumes, em seu sotaque e em sua gente. São pessoas que pensam como você que me dão cada vez mais ORGULHO de ser nordestino.

Abraços.

Carol Barros Melo disse...

OBrigada Wellington. Muita gentileza da sua parte. E orgulhemos-nos da nossa "nordestinidade" sempre! Grande Abraço.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...